Cortar ou não cortar?

por Natália Gonçalves

É uma verdade universal que o cabelo de uma mulher pode ser seu maior aliado ou seu maior inimigo. O meu já me derrotou várias vezes, mas nos últimos tempos decidiu cruzar linhas inimigas e firmar território ao meu lado, bem, ao menos na maioria do tempo. Hoje, ele é um chanelzinho desfiado, o corte é uma gracinha e super prático, o único problema é que eu já estou sentindo aquela coceirinha que só passa a base de tesoura e navalha. Eu me pergunto, no entanto, se vale a pena me entregar a essa coceirinha ou se resisto e volto a ter o cabelo longo. Então, para me ajudar a resolver escrevi dois posts, esse que traz uma série de cabelos longos e lindos e um segundo para pesar as vantagens e desvantagens de um super short hair.

Ter cabelos longos significa ter um mundo de possibilidades,  especialmente, quando se trata de penteados. São tantos coques, tantas tranças, podemos deixar solto ou quem sabe até mesmo semi-preso, no melhor estilo Bridget Bardot. É, não se pode negar que para quem gosta de brincar com o cabelo é muito mais interessante deixar o cabelo crescer. Eu não tenho tanto jeito para penteados, mas achei um tutorial sobre tranças bem legal no Safari Blog, vale a pena dar uma olhada, especialmente as adeptas dos cabelos longos. A versatilidade é uma das vantagens de se deixar o cabelo crescer, seu cabelo pode ficar lindo seja em um estilo surfista ou no estilo clássico hollywod star. Puro luxo!

Claro, que com grandes madeixas vêm grandes responsabilidades, cuidar de um cabelo assim dá muito mais trabalho do que se tem com um Bob ou um Chanel da vida. São mil vezes mais visitas ao cabeleireiro: hidratações, esfoliações, máscaras e muito mais. Só de pensar cansa, né? A vantagem é que as linhas caseiras estão cada vez mais populares, e assim, visitar o salão pode se tornar algo facultativo e por mais que o toque profissional faça muita diferença saber cuidar do próprio cabelo faz toda diferença, ainda mais quando se tem pouquíssimo tempo nas mãos. Outro risco de se ter cabelo longo, na minha opinião, é o de cair em um visual muito reto e sem corte algum, para evitar isso acho legal dar uma repicada e experimentar usar o cabelo com mais ondar e não muito liso, acho muito mais bonito assim e se Gisele pode, por que a gente não, né? 

Confesso que quando olho fotos como as que estão aqui abaixo, esqueço de todo o trabalho e só penso como adoraria poder usar alguns desses cabelos:

Diane Kruger arrasa nos looks com tranças

 

Zooey em uma vibe totalmente Bridget

Natalie Portman e seu adorável coque

 

 
 
Anúncios

2 Comentários to “Cortar ou não cortar?”

  1. Com certeza é possível produzir muita coisa bonita com os cabelos longos, mas não deixo de pensar que muitas mulheres se apegam a eles só pela tradição, ou melhor, por se limitarem à tradição. Existe um estigma de que os cabelos curtos seriam uma forma estética mais “masculinizada”, ou pior, um padrão buscado pelas mulheres homossexuais, como se não existissem padrões estéticos universais não restritos a essa oposição conservadora entre “beleza feminina” e “beleza masculina”, ou mesmo que a sensualidade das mulheres homossexuais estivesse em copiar os padrões masculinos. Essas ideias são muito empobrecedoras nesse debate.

    Penso que há muita sensualidade nos cortes mais curtos de cabelo das mulheres, e inclusive uma sensualidade que já está prenunciada nos coques apertados da Audrey e de outras, com a nuca à mostra, e, claro, que também está aí desde que mulheres mais ousadas resolveram adotar esse padrão mais moderno, há um bom tempo, ainda que continue comum que mulheres com exposição na mídia continuem a “chocar” quando resolvem adotar o estilo mais mínimo.

    besos

    • Eu concordo plenamente com você, tanto que maioria dos cabelos longos que eu vejo me remetem a uma imagem de religiosas que acreditam que cortar o cabelo é algum tipo de pecado (vulgo cabelo de crente).
      Adoro cabelos curtos exatamente por esse jogo entre o masculino e o feminino, porque eu acho que grande parte do que é sensualidade está no equilíbrio entre feminino e masculino. Acho o tal cabelo “joãozinho” muito mais interessante do que
      um cabelo longo, liso e reto, o que, infelizmente, ainda vigora como padrão estético. Você me fez pensar mais no tema e me deu vontade de me aprofundar nos meus cabelos e em tantos outros!
      Adorei seu comentário, gato, please come back always.
      Beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: